TERÇO

Pablo Silva

As pessoas costumam detestar aqueles pares de bancos que ficam de frente um pro outro no ônibus. Não quando estão com amigos, uns quatro, pra se sentarem como num boteco. Mas quando estão sozinhas, é de se notar o ambiente pesado que fica, nessa de encarar o desconhecido da frente e tentar sorrir de simpático. Eu me divirto.

E, numa dessas de prazer idiota de encarar estranhos, uma mulher rezava com terço e tudo bem de frente pra mim. A gente, quando é desbocado e aprende coisa importante que o outro tá morrendo sem saber, precisa contar. Olhei pro Céu, falei assim: “olha, se ela enfiar esse terço naquele bolso dali, eu mexo com ela. Se não, entendo que o Senhor quer que eu fique de boca fech…”. Eu nem terminei a oração e a dona já fechava o zíper do tal bolso. Tive que falar, ora. Combinado é combinado, e ainda mais com Quem.

Nessas situações em que se é obrigado a olhar pra cara dos outros, a maior parte das gentes se comporta como se fosse invisível. Se tiver uns óculos escuros e fones de ouvido melhor ainda. Funciona igual à capa do Harry Potter. A mulher já percebia que eu a encarava como quem quer dizer “tá sujo aí, ó”. Então, quando eu abri a boca, ela tentou se esconder atrás da bolsa sem se mexer, só com os olhos.

“A senhora está aflita?” eu perguntei. “Por quê?” defendeu ela. “Porque está rezando dentro do ônibus, como se alguém estivesse pra morrer”. Na verdade, eu só disse a primeira parte da frase, a segunda ficou no gatilho. Eu sabia que ela já estava chutando de qual igreja evangélica eu era. E eu me ria por dentro. Não por me sentir o caridoso homem que distribui o Pão da Verdade aos pobres de espírito, mas porque eu passei a encarar essa aversão à pregação do Evangelho com bom humor. Os crentes por aí se sentem afrontados quando alguém não dá atenção à mensagem deles. Eu não. Até porque eu já estive do lado de lá da força. A gente cego acha que o sol é preto. É triste.

Parti o “Pão” pra dividir, mas ela disse que estava satisfeita. Bem que mãe costuma dizer que comer porcaria antes da janta faz mal. A gente come qualquer coisa, sente que tá de barriga cheia e fica só com aquilo no estômago. Essa dieta mata com o tempo, mas, na hora, foi o cardápio que ela seguiu. Agradeceu o meu despeito de querer conversar, e desceu da mesa. Ou do ônibus, que seja.

Pablo Silva - Estudante do curso de Jornalismo da Universidade Federal de Ouro Preto

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *